Foto Facebook lança guia para ajudar na identificação de notícias falsas.

Facebook lança guia para ajudar na identificação de notícias falsas.

O Facebook começou a orientar seus usuários quanto à notícias que podem ser falsas. “É uma ação informativa, para compartilhar um pouco do conhecimento adquirido através da rede para identificar um conteúdo que pode ser falso ou que tenha informação duvidosa”, comentou Luis Olivalves, diretor de parceria de mídia do Facebook para América Latina.

 

Trata-se de uma notificação que exibirá um tipo de guia na parte superior do feed de notícias dos usuários, foi disponibilizada nesta sexta-feira (07/04), no Brasil e em outros 13 países, onde a rede tem grande influência.  

 

Segundo Luis Olivalves, o guia deixa claro que prestar atenção aos detalhes da página que fez a publicação da notícia é muita importante para perceber pequenas falhas e detectar se a informação é verdadeira ou não. “Para uma pessoa que não está em contato todos os dias com conteúdo não é tão natural identificar uma fonte, saber consultar a URL ou não ser tão seduzida por uma chamada, vamos dizer, especulativa.”, afirma.

 

Esse tipo de notícia é criada para chamar a atenção do usuário, e assim ganhar público, “A notícia falsa tende a ‘viralizar’ de forma mais rápida do que o conteúdo normal, de fonte verificada.” Por este motivo o guia fará com que os usuários avaliem melhor se a data de publicação e imagem vinculada referem-se ao conteúdo.

 

Em relação ao Brasil, comenta o executivo do Facebook, “é um primeiro passo na redução no número de conteúdos de notícias falsas” direcionado aos usuários. “O que a gente sente hoje é uma responsabilidade grande em ajudar a reduzir essa distribuição, porque no final estamos falando da experiência das pessoas, o que nos preocupa muito é garantir que o Facebook seja um lugar em que elas possam se conectar com seus amigos e familiares, mas também com suas fontes de conteúdo de preferência e compartilhar momentos relevantes pra sua vida. Não compartilhar momentos que sejam falsos.”, diz.

 

Fonte: Olhar digital, G1, GAZETA ONLINE